Home Contactos
  • Facebook
Logo ASAE
    Logo MinEconomia
    banner de topo

    Trichinella

    Trichinella  spiralis

    Trichinella spiralis, nome científico do parasita vulgarmente  designado por Triquina, é o agente responsável pela triquinose. São  Nematelimintas (vermes de corpo cilíndrico) do grupo dos Nemátodes (corpo não  segmentado).
    Com a excepção dos trópicos, a infecção existe em todo o mundo  sendo rara em países como a França onde os porcos são alimentados com legumes de  raiz (que crescem debaixo da terra - beterraba, batata doce, cenoura, nabo,  etc.).

    Características de Trichinella spiralis 

    Os vermes adultos são muito pequenos apresentando o macho e a fêmea cerca de  3 mm e 3 a 4 mm, respectivamente. Vivem na mucosa intestinal do Homem ou de  outros animais como o cão, o gato, o rato e o porco. Todo o seu ciclo de vida  ocorre no interior do hospedeiro. 

    Transmissão de Trichinella spiralis

    A infecção ocorre quando é ingerida carne contendo quistos com as respectivas  larvas. Quando a cápsula do quisto é digerida no estômago ou no duodeno, as  larvas são libertadas e atravessam a parede do intestino delgado. Durante dois  dias as larvas amadurecem e acasalam. A partir desta fase, os vermes macho já  não participam na infecção. Cada parasita fêmea pode gerar mais de 1000 larvas  durante 4 a 6 semanas depois das quais morre e é digerida. As larvas são  transportadas por todo o organismo através dos vasos linfáticos e da corrente  sanguínea. As larvas que conseguem alcançar os músculos penetram-nos e causam  inflamação. Ao fim de três meses enquistam-se. Os músculos da língua, os dos  olhos e os localizados entre as costelas são os mais susceptíveis à infecção. O  ciclo evolutivo conclui-se quando o tecido infectado de um animal é ingerido por  outro.

    Alimentos em que a presença de Trichinella spiralis é mais frequente

    A carne de porco ou os seus derivados consumidos crus ou cozinhados de forma  insuficiente são os principais alimentos associados a esta infecção. Em casos  raros, a infecção foi contraída pelo consumo de carne de javali, de urso e de  alguns mamíferos marinhos.

    Principais sintomas de infecção por Trichinella  spiralis

    A manifestação de sintomas varia de acordo com número de larvas invasoras,  com os tecidos invadidos e com o estado geral de saúde do hospedeiro. Um ou dois  dias após ingestão de carne infectada surgem os sintomas intestinais podendo o  doente apresentar febre ligeira. Os sintomas da invasão larvar surgem  normalmente 2 a 8 semanas após a infecção. Os sintomas mais comuns são náuseas,  diarreia, vómitos, cansaço, febre e dores abdominais seguidos, enfraquecimento  e, em casos muito graves, complicações cardíacas ou neurológicas.

    O  tratamento inclui a administração oral de mebendazol e tiabendazol. Certos  corticosteróides podem ser utilizados para reduzir a inflamação do coração e do  cérebro. Geralmente, as pessoas afectadas recuperam completamente de  triquinose.

    Prevenção da contaminação 

    A triquinose evita-se cozinhando bem a carne de porco, os seus derivados e  também outras carnes. Alternativamente, as larvas podem ser eliminadas ao  congelar a carne a –15ºC durante 3 semanas ou a –20ºC durante um dia. 


    Bibliografia

    Anonymous (2004) The Trichinella page (http://www.trichinella.org/) Columbia  University, USA

    CFSAN Bad Bug Book (http://www.cfsan.fda.gov/~mow/app2.html)

    Tavira LT (2002) Parasitologia in Microbiologia, vol 3.  Ferreira WFC e Sousa JCf (eds) pp 435-440. Lidel, Lisboa. 

    Escola Superior de Biotecnologia
    Universidade Católica  Portuguesa

    • Reg 765 + Medidas Restritivas
    • Denúcias
    • Livro de Reclamações
    • Asae Topics in Other Languages
    • BCFT
    • FISAAE
    • Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA)
    • Simplex
    • EEPLIANT 2
    66