Home
  • Facebook
  • Instagram
Logo ASAE
Logo MinEconomia
banner de topo

Redução do Consumo de Sal

Estratégias práticas para a redução do consumo de sal
 
Em Portugal ainda existe o hábito de cozinhar em casa o que permite aos consumidores o controle da quantidade de sal a incluir nas suas refeições.

A confecção dos alimentos deve ser feita com pouco ou nenhum sal, optando por métodos que valorizem o paladar natural dos alimentos.

Cozinhar em casa com pouco sal:

1. Temperar os alimentos com ervas aromáticas, especiarias, sumo de limão, vinho e vinagre;

2. Utilizar marinadas e vinha d’alhos, para temperar os alimentos de véspera;

3. Combinar alimentos de sabor intenso com outros mais insípidos, por exemplo, incluir cebola, alho, pimento e tomate e tentar cozinhar em pouca água, para concentrar os cheiros e sabores. Par tal utilizar panelas de pressão, recipientes para cozinhar a vapor ou antiaderentes, com o recipiente tapado;

4. Não adicionar mais sal aos alimentos, caso a refeição inclua molhos pré-preparados, conservas ou produtos de charcutaria;

5. Não trazer o saleiro à mesa;

6. Evitar rectificar o sal durante o cozinhado. Afastar o saleiro para não o fazer automaticamente.

Os alimentos processados, de acordo com informação EFSA, são responsáveis por 70 a 75% do consumo de sal.

Deve evitar-se o consumo habitual de:

1. Pratos/alimentos altamente conservados em sal (pickles, fumados, enchidos);

2. Caldos concentrados;

3. Produtos à base de carne como rissóis, croquetes, produtos de salsicharia, enchidos, fiambre;

4. Conservas de marisco, peixe e carne;

5. Bacalhau seco ou salgado;

6. Bolachas com sal;

7. Molhos preparados industrialmente.

Como comprar?

1. Ler atentamente o rótulo dos produtos alimentares. Em alguns deles é indicada a quantidade de sódio e poderá ser calculada a quantidade aproximada de sal através da multiplicação do valor de sódio por 2,55.

Sódiox2,55= sal

Exemplo:

Uma pizza média tem 639mg de sódio x 2,55 = 1614 mg de sal
                                                                        = 1,614 g de sal

2. Existem no mercado produtos “ sem sal”, “sem adição de sal” e “ com baixo teor em sódio”. Podem ser boas alternativas.

3. Como o pão é um alimento base da dieta mediterrânica e que se consome em quantidade, este acaba por ser um dos responsáveis pelo excesso de sal. Por isso, deve preferir-se o pão com pouco sal.

Como calcular as quantidades máximas

As crianças muito pequenas devem habituar-se a uma alimentação com pouco ou nenhum sal. No caso dos bebés até um ano não se deve acrescentar sal aos alimentos.

Para as restantes crianças a quantidade máxima depende do peso, podendo ser referido cerca de 2 g por dia até aos dois anos, 3 g até aos 6 anos, 5 g até aos dez anos. Mesmo dentro destes valores quanto menos se ingerir, melhor.

A habituação ao sabor dos alimentos com pouco sal é a garantia de reduzir substancialmente o problema do excesso do seu consumo.

Os adultos não devem consumir mais de 5g por dia (1 colher de chá cheia). Esta é a quantidade total de sal a ingerir, incluindo o sal que faz parte dos alimentos.


  • COVID-19 ASAE
  • Denúncias  / Denúncias COVID-19
  • Processos de Contraordenação
  • Livro de Reclamações
  • Reg 765 + Medidas Restritivas
  • Asae Topics in Other Languages
  • Não paramos. Estamos ON!
  • PROJETOS COMPETE 2020
  • BCFT
  • Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA)
  • EEPLIANT 2
66